A empolgação em falar a frase é comum para Gabriel assim como para muitos jovens, e os projetos de crescer mais e realizar grandes sonhos também. Aos 24 anos, Gabriel Bernardes de Lima fala com alegria sobre seu dia a dia corrido como dono da Downlicia Brigadeiros Gourmet. São cerca de 400 docinhos, de mais de vinte sabores diferentes, que ele faz todos os dias e entrega com sua Food Bike em empresas da grande São Paulo – uma média de 8 mil mensais! Além disso, divide seu tempo entre o trabalho como influenciador digital, com mais de 68 mil seguidores no Instagram e 10 mil inscritos, publicidades e “projetos que ainda não podem ser divulgados”.

Gabriel abriu espaço na sua agenda para falar com nosso blog sobre a carreira de sucesso e a Síndrome de Down. “A Síndrome de Down nunca me impediu de ter uma vida comum como todo jovem.”

Os primeiros pratos

Aos 9 anos, Gabriel e a irmã, Carolina, na época com 11, já ficavam sozinhos em casa enquanto a mãe trabalhava. E foi nessa época que Marta levou o primeiro susto ao perceber que o filho tinha aproveitado a tarde para tentar cozinhar arroz com feijão. A bronca não deu certo e ele continuou seus experimentos. Foi então que Marta ensinou as primeiras receitas. Ela foi a inspiração para Gabriel. “Com 10 anos, minha mãe foi minha inspiração. Aos 20 anos foi o Jacquin (Érick Jacquin)”, conta.

Talentoso, Gabriel fez alguns cursos de gastronomia e descobriu o brigadeiro como sua grande paixão!

As gravações para o YouTube

“Desde pequenininho gosto de tirar fotos bonitas”, afirma. As fotos foram complementadas pelos vídeos, ainda na infância, quando Marta quis filmar Gabriel na cozinha para mostrar que a Síndrome de Down não é impedimento para nada. “Começamos a gravar para mostrar para outas famílias que é possível ser independente. O Gabriel começou a cozinhar com 9 anos, quando ele cresceu começou a andar de metrô sozinho, ir ao supermercado. Ele é totalmente independente. E foi em uma aula de culinária que eu percebi que outras mães estavam duvidando que ele cozinhava sozinho. Aí decidi começar a gravar, e ele fazia café, fritava pastel, usa panela de pressão. A ideia inicial não era mostrar o Gabriel cozinhando, era motivacional, era para mostrar que ele tinha capacidade, que ele podia fazer. Ele sempre fez tudo sozinho”, destaca Marta.

Os vídeos foram ganhando mais visualizações e os canais da Downlicia se tornaram sucesso. Gabriel adora cuidar das redes sociais e conta com a ajuda da irmã para fazer as postagens no feed. “No Instagram todo dia eu arrumo um tempinho para fazer stories. No YouTube quando dá eu faço novos vídeos. Mas agora está muito corrido. Todos os vídeos são feitos na minha casa, na cozinha de casa, onde faço os brigadeiros!”

Brigadeiros Gourmet Downlicia

O que começou como um incentivo para vencer as barreiras da Síndrome de Down lá na infância se tornou uma profissão de sucesso. “Depois dos cursos, aprendi fazer o brigadeiro e criei a marca de Brigadeiros Gourmet Downlicia. Foi ideia minha! Eu criei em 2 de abril de 2017”, afirma, rindo de satisfação.

De Chef a empreendedor e palestrante

Com o crescimento da Downlicia, veio a Food Bike para ajudar nas entregas. É com ela que Gabriel leva os brigadeiros às empresas, exposições, feiras e eventos diversos. A ideia sempre é unir sabor com inclusão. “A Food Bike é minha loja móvel. Eu amo levar ela nas empresas e passar uma tarde downliciosa. Todos os dias tem evento. Pelo período da manhã, vou nas empresas. À tarde descanso, vou à academia e cumpro alguns compromissos e à noite faço o brigadeiro.”

Além da produção dos doces e das vendas, Gabriel também faz palestras em grandes empresas. A Downlícia tem crescido tanto que sua mãe e irmã hoje se dedicam ao trabalho da empresa e a ideia é contratar mais pessoas para a equipe!

Digital influencer

As redes sociais do Gabriel são um sucesso, e ele tem sido procurado por grandes marcas nacionais para propagandas. “Já fui modelo de cueca para uma marca famosa, café, bancos, marca de eletrodomésticos.”

Os sonhos de Gabriel não param. “Quero ganhar dinheiro para comprar meu carro e tirar a carteira de motorista”, diz, encontrando tempinho vago para as coisas que todo jovem gosta de fazer. “Dançar, ver filme e jogar videogames”.

Alguém tem dúvida de que ele vai muito mais longe?